Estado entregou à Lone Star património cultural de 50 milhões do antigo BES | Banca e Finanças | Blog | Diretório de Empresas

Estado entregou à Lone Star património cultural de 50 milhões do antigo BES

2018-08-10

Estado entregou à Lone Star património cultural de 50 milhões do antigo BES

O Governo português e o Banco de Portugal (BdP), via Fundo de Resolução, incluíram no negócio com a Lone Star relativo ao Novo Banco um património cultural avaliado em 50 milhões de euros, composto por moedas raras, fotografias contemporâneas, pintura, mapas portulanos e livros quinhentistas.   Este acervo estava no perímetro do Estado, que já aplicou quase quatro mil milhões de euros no antigo BES, mas acabou por ser deixado nas mãos do fundo americano que controla 75% do capital do banco depois do acordo assinado no último trimestre de 2017 e que envolveu a injecção de mil milhões de euros.   De acordo com o Público, este património pode ser vendido, mas não pode sair do país, tendo o Estado perdido a oportunidade de manter na esfera pública o espólio que já está contabilizado no balanço do banco: as moedas raras estão registadas por 29 milhões de euros; a fotografia por 10 milhões; as 94 pinturas e os quatro mapas portulanos por 10 milhões; e a Biblioteca de Estudos Humanísticos (Biblioteca Pina Martins) por 900 mil euros.  A obra mais valiosa da colecção é o ’Banquete na Aldeia’, uma pintura de Pieter Brueghel que tem ao canto duas personagens numa relação íntima.
Relata o jornal que esta ’cena mais picante’ no quadro, que antes da falência estava pendurado na sala particular de Ricardo Salgado, era usado pelo antigo banqueiro para ’aliviar o clima’ quando subia a tensão nas reuniões com convidados e clientes.A situação patrimonial do Fundo de Resolução deteriorou-se em 2017, com o buraco a aumentar para 5,1 mil milhões de euros.
É que o activo da entidade, que funciona através de contribuições dos bancos portugueses, mais do que duplicou devido ao Novo Banco, mas as responsabilidades do Fundo presidido pelo vice-governador do BdP, Luís Máximo dos Santos, que já eram em muito maior volume, também aumentaram 14%.

Voltar