Tomás Correia terá ignorado alertas com aprovação de investimento de risco

2018-12-06

Tomás Correia terá ignorado alertas com aprovação de investimento de risco

A 24 de Abril de 2014 a Caixa Económica Montepio Geral contabilizava qualquer coisa como 850 milhões de euros em investimentos especulativos e empréstimos de risco a apenas nove clientes.
A situação levou o departamento de planeamento da instituição a enviar um email à administração chefiada por Tomás Correia, alertando para os riscos dessa situação.   A história é contada esta quinta-feira pelo jornal Público, que identifica os clientes: a empresa de navegação de Rui Alegre, o Grupo Espírito Santo, a construtora e imobiliária HN, o construtor Aprígio Santos, da Figueira da Foz, os também construtores José Guilherme e José Silvério, a EDP, a PT e a Galp.   Os técnicos falavam em ’instrumentos altamente complexos’, e alertavam para os riscos que a instituição corria.
E os acontecimentos posteriores, escreve o Público, vieram provar que os receios do departamento de planeamento em relação a vários dos clientes em causa tinham efectivamente razão de ser.  O Montepio está em eleições, tendo os seus associados vindo a exercer o direito de voto por correspondência nas últimas semanas.
Esta sexta-feira decorrerá a votação presencial.
Na corrida estão três listas: a de António Tomás Correia, líder da associação mutualista há 10 anos e que se recandidata para um quarto mandato; a de Fernando Ribeiro Mendes, vogal da administração de Tomás Correia que agora avança sozinho; e a lista liderada pelo empresário António Godinho, que já se candidatou em 2015 e agora voltou a fazê-lo.

Voltar